segunda-feira, 15 de junho de 2009

O caso da porcelana inglesa



No início da década de 1991, uma senhora, revendo velhos guardados da família formados por fotos, documentos e esquecidas lembranças, deparou com um envelope no qual havia uma coleção de rótulos de produtos Nestlé já amarelecidos pelo tempo. Junto, um recorte de anúncio de revista descrevia uma promoção na qual colecionando-se um dado número de rótulos de produtos Nestlé a consumidora ganhava um jogo de chá de porcelana inglesa.

Surpresa, a senhora verificou que o número de rótulos correspondia ao exigido pelo regulamento, que também não estabelecia um prazo de validade para a campanha.

Movida mais pela curiosidade do que pela esperança, ela procurou a Nestlé e expôs o caso. A empresa pesquisou e soube que se tratava de uma campanha feita no final da década de 1930. Ocorre que, com a eclosão da 2ª Guerra Mundial, em 1938, cessou a importação de jogos de porcelana inglesa e a promoção não pôde premiar os consumidores que atingiram o objetivo determinado pela campanha.

Vendo que tinha um bom case nas mãos, a Nestlé, passados mais de 50 anos, fez a entrega do prêmio, o que rendeu matérias na mídia e até uma entrevista com a ganhadora no então Jô Onze e Meia.

Além da curiosidade e da oportunidade de marketing para a Nestlé, o episódio ilustra como são antigos os recursos utilizados para promover vendas e fidelizar clientes.

O que não mudou neste tempo todo? Foram as pessoas ou os apelos promocionais?

2 comentários:

Panhoca; Bruno disse...

É recorrente nos posts a nossa insatisfação com o velho jeito de se fazer promoção.
Mas que esta ação da Nestlé foi uma grande sacada foi.
Muitas empresas se recusariam a entregar o brinde.
Ponto pros Suiços.

Robi Carusi disse...

AAAAAMEI : )