segunda-feira, 30 de junho de 2008

Motomix no Parque

Você acredita que um show gratuito com bandas gringas - aqui no Brasil - é sinônimo de confusão e experiência ruim para o público? Nem sempre.

Ontem fui em família para o Motomix, no Parque Ibirapuera, e gostei bastante do que vi. Não pelos shows, pela estrutura ou por qualquer recurso interativo ultra-tecnológico (mesmo porque não havia nenhum). A experiência foi ótima pelo clima do evento, que lembrou muito aqueles shows abertos ao público organizados em praças e parques europeus.


(Fujyia & Miyagi em ação)

A estrutura era simples, sem bar, chapelaria ou qualquer outra "regalia" típica dos grandes shows. Mas o fato de ter sido montada no meio do parque Ibirapuera contribuiu para criar um ambiente orgânico, natural e por isso mesmo convidativo. Nada de tumulto. Nada de brigas. Apenas pessoas curtindo um sábado no parque, com seus filhos e cachorros. Obviamente a concentração de indies era maior do que num sábado comum. :)

Mas isso só confirmou que a Motorola parece saber o que quer. Todo o festival - desde o conceito até a divulgação - foi pensado para um público específico, nichado, sem ter a pretensão de se tornar um novo Skol Beats ou Nokia Trends. Já que não conseguiriam bater esses fortes concorrentes, preferiram impactar de maneira mais relevante um público visivelmente alpha (como costumamos chamar em nossos planos os trendsetters). Megalomania X Relevância.

As 30 caçambas do Disk-Mobilidade, que serviram para divulgar o evento dias antes, estavam todas lá. Juntas com um grande cubo no meio da pista, onde foram projetadas imagens enviadas pelo público via site, compuseram a cenografia do evento. E realmente não era preciso mais nada. A natureza do parque Ibirapuera fez o resto.

Um bom exemplo para nós Promo Planners, que muitas vezes planejamos eventos para grandes marcas e acabamos tentados a nos diferenciar pelo MAIS ao invés do MENOS.

Um comentário:

Renata disse...

Ler esse post causa uma dor no coração dos que não estavam presentes, que vocês nem imaginam!
Bom saber que foi tudo muito bem planejado...

Abraços.