quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

"Trabalhe bastante meu filho, e um dia você terá liberdade para aproveitar a vida"

O título desse post ilustra um pensamento fortemente arraigado em nossa sociedade.

Trabalhe duro (por muito tempo), alcance o sucesso e ganhe a liberdade (para se aposentar e aproveitar sua vida). Mas um estudo recente está tentando provar que a liberdade vem antes do sucesso, e não o contrário. Com o nome de ROWE (Results-Only Work Environment), esse estudo liderado por dois grandes nomes do RH mundial tenta mostrar que trabalhamos sob o mito de que tempo gasto + presença física + "fingir preocupação" = resultado. E isso não é verdade.

Eis o princípio básico do ROWE: pessoas podem fazer o que quiserem, quando quiserem, contanto que o trabalho seja feito. É você quem faz seu horário, com a responsabilidade que sua mãe lhe ensinou. Existe inclusive uma lista com os 13 mandamentos do ROWE. Veja alguns exemplos:

- Trabalho não é um lugar aonde você vai, mas algo que você faz.
- Empregados têm o direito de trabalhar da forma que eles quiserem.
- Toda reunião é opcional.
- Ninguém fala sobre o tempo (quantidade) que eles trabalharam.
- Sem julgamento sobre como você gasta seu tempo.

Pode parecer radical, mas acredito que aí encontramos algumas idéias interessantes. E com isso quebramos a antiga visão de sacrifício para alcançar a liberdade e nos deparamos com um novo paradigma. Encontre um emprego que ampare a sua liberdade e tenha sucesso.

Os primeiros resultados do experimento são espetaculares. Foi detectado um aumento de 35% na produtividade dos departamentos que trabalharam sob os preceitos do ROWE, e uma diminuição de 52-90% no turnover, dependendo do departamento. É interessante notar que as demissões involuntárias ("Você está despedido!") aumentaram, uma vez que os incompetentes não podem mais se esconder, uma vez que a única medida de eficácia do trabalho são os resultados.

Eu particularmente acredito muito nessa linha de pensamento, mas obviamente não pode ser implementada em qualquer empresa ou agência sem a coordenação de um especialista. Em nossa área, a publicidade, esse método se mostra particularmente interessante, uma vez que trabalhamos diretamente com a criatividade - logo, liberdade é nossa matéria-prima.

Se você ficou interessado e quer saber mais sobre o ROWE, clique aqui.

2 comentários:

Marinho disse...

Gontijo, mesmo sem a coordenação de um especialista, no início da Sight, hoje Momentum, como diretor de criação e membro do board da agência, apliquei os postulados do ROWE. Não importava como, onde, quando e em que lugar o trabalho fosse feito, desde que com qualidade e no prazo.
Sempre fui de opinião que em nosso meio o resultado esconde o processo, portanto, não importa se você trabalhou muito ou pouco, virou madrugada, sacrificou fim de semana, teve noites insones, o que conta é o resultado e só ele. Portanto, não use o processo para pré-qualificar o trabalho.
Roberta Carusi é contemporânea de parte desse período e dessa prática.
ROWE Já! É possível e eu sou testemunha de sua viabilidade.

Marinho

Robi Carusi disse...

Eu sou! Eu sou! E apliquei o método Seu Marinhos (desculpe, mas, pra mim, é o método "Seu Marinhos" de trabalho e é esse o nome que uso sempre e que usarei aqui) quando tive minha querida equipe no Banco de Eventos. Equipe esta que tinha nosso promoplanner Scartozzoni! Agora, tenho a sorte de trabalhar no mesmo esquema, com o Dudi que, aliás... é discípulo do Método Seu Marinhos (ah, qualé, algum vereador tem que propor a mudança de ROWE para Seu Marinhos!)
Yes!
Nossa Senhora do Bom Emprego olhou pra mim!
Viva o Seu Marinhoooos!
:)