quarta-feira, 11 de junho de 2008

Novilíngua

A comunicação sempre foi algo dinâmico, por mais lenta que tenha sido sua movimentação no passado.

Já é mais que sabido que novas tecnologias impactaram o modo de falar, fazendo com que tivéssemos várias linguagens. Foi assim com o telégrafo, que exigiu uma linguagem cifrada (Parabéns Aniversário Felicidades Tio Nelo), isso num tempo de cartas copiosas. Depois o telefone, agora a Internet, o SMS e que tais.
O próprio Macunaíma quando chegou a São Paulo escreveu (?!) para sua aldeia dizendo ter encontrado um povo engraçado que falava uma língua e escrevia outra.

O poder da linguagem foi reconhecido não apenas como veículo de comunicação, mas como elemento formulador de raciocínio, tal como dramatizou George Orwell em 1984, com o Grande Irmão criando uma nova linguagem (novilíngua) para dar novas conotações a conceitos e idéias.

Vadiando na web deparei-me com o caso ilustrado a seguir.
Numa ação promocional de Nivea na Índia, dirigida a adolescentes e jovens, promovia-se um concurso informal de beleza pela Internet. As meninas postavam sua foto e respondiam a um pequeno questionário com o objetivo de receber votos. O que me chamou a atenção não foi a ação, mas a forma como as participantes responderam ao questionário, que descrevo com toda a fidelidade:

Sreyoshi Pal – 20 anos
About Me
I am a simple gal... i luv dreamin about all impossible things........i luv to shop....n i luv my family like crazy...n my wish list wil never end....N live life queen size...

My Secret
To be famous...........someone, somebody remembered forever!!!!!!!!

My Passion
CARS!!!!!!!!!SPORTS !!!!!!!!!!!!!!!!MOVIES!!!!!!!!!



Nisha Gilani – 16 anos
About Me
lOvEs To LiVe LiFe qUeEn SiZe....

My Secret
vOtE 4 mE dEn IlL TeLl U.....hehe

My Passion
oBvIoUsLy A cRowN iN dIS cOnTeSt...hElP mE wIn diS gUyZZZZ

Curiosamente, a escrita incorpora apêndices gráficos como reforço daquilo que se quer expressar: reticências alongadas, farto uso de sinais gráficos, grafia do som da palavra (luv, por love; gal por girl) e por aí vai.

Embora já haja dialetos por faixa etária, isso não significa a eclosão de uma nova Babel. Cabe apenas ficarmos atentos ao movimento e talvez isso (a observação) ainda sirva para que possamos dar eficácia às nossas ações promocionais.

2 comentários:

Panhoca; Bruno disse...

Muitíssimo bem observado. Tem gente que acha que essess jovens "falam" errado. Mas a gíria sempre foi uma ferramenta linguística da juventude de qualquer tempo. A diferença é hoje a gíria é internética, globalizada, digitalizada e extremamente visual.
Eles "falam" com os dedos.
Com um pouco de bom senso essa novilíngua é facilmente compreensível. Acho uma brasa, mora?

Bruno Scartozzoni disse...

É a primeira vez que uma lingua está sendo criada exclusivamente na parte escrita. Já parou pra pensar nisso?