terça-feira, 27 de maio de 2008

Apresentação Show

Bom, encerrada a coluna De Post a Post, que fez mais sucesso do que eu esperava (ora, viva!), agora vamos para o fantasma dos fantasmas, o horror dos horrores: como fazer uma PUUUUTA apresentação.

Nesse primeiro post, vou contar como aprendi a fazer uma apresentação eficiente (ah, a falta de modéstia):

Capítulo 1: trabalhei com muitos redatores bons, alguns ótimos e 3 geniais (Marcelo, Marinho e Dudi, todos Planners, aliás). Com eles, aprendi como desenvolver um raciocínio de modo a que as pessoas entendam de onde saí (diagnóstico), por onde passei (estratégia) e onde cheguei (a solução).

Lição 1: todo projeto tem que ter começo, meio e fim.

Capítulo 2: em 2003, fui para o Banco de Eventos. Se você nunca apresentou uma campanha para o Victor Oliva, vou contar como é: ele se senta diante de você, à mesa de reunião, controle remoto da TV, interruptor de chamar a secretária, telefone, tudo ali em volta. De repente, ele grita: “Bom, filha, me conta rápido sua idéia”. E você conta.

Se em um minuto ele não se interessar pela conversa, ele começa a mexer nas coisas, chama a secretária, atende o telefone, liga (ou desliga) a TV etc. Se em 2 minutos, mais ou menos, ele não se convencer de que você tem uma boa idéia, ele te interrompe com uma bordoada verbal e aí ou você resume em uma frase ou vai embora refazer.

Lição 2: trate o Cliente na reunião como tratamos os consumidores diante das gôndolas: chame a atenção dele em 10 segundos. E seja rápido, porque ele vai para a gôndola do lado em questão de minutos. E não é só o Victor, não.

Capítulo 3: no BE eu também aprendi como se faz uma boa apresentação – e não estou falando do projeto em si, do amigo Power Point, mas de tudo, tudo, t-u-d-o, desde que o Cliente entra na sala de reunião, até a hora em que ele passa pela porta de saída.

Lição 3: utilize outros recursos. Fez pesquisa, daquelas de mini-amostragem? Edita e joga na apresentação. Tem ação de abordagem com algum material difícil de explicar? Contrata a recepcionista pra fazer um freela e servir de promotora.

Capítulo 4: Há dois anos, voltei para a SD. Percebi que o Dudi ficava muito impressionado com o conteúdo dos meus projetos, mas trocava um monte de coisa de ordem. Ele buscava um slide láaaaaa atrás e trazia pra frente.

Lição 4: por mais maravilhoso que seja seu planejamento, ponha a mão no coração, trema o queixinho e admita: ele é apenas um obstáculo entre o Cliente e a idéia criativa, que é o que ele quer ver.

Capítulo 5: Como já mencionei aqui, uma vez o Neto viu um Power Point meu e se recusou a ler “você não pode impor uma quantidade de informação assim a ninguém! Quem tem tempo?”.

Lição 5: seja objetivo. Sempre.

Com tudo isso aprendi a fazer um projeto com começo, meio e fim, que vai direto ao assunto e não se demora lá.

Ou seja: vamos ver aqui se a gente consegue deixar isso:


... o mais próximo possível disso:

(para ver o PPT inteiro, clique aqui)

Aproveito para agradecer a todos os citados nesse post, que me ensinaram, cada um a seu modo, como se faz uma apresentação show!

2 comentários:

Marinho disse...

Robi, este post, pelo potencial que tem em dicutir/orientar como se fazer uma boa apresentação abre a oportunidade para que possamos propor a realização de um workshop ou grupo de discussão sobre o assunto, com ilustrações, cases, etc.
O que os Planners acham?

Robi Carusi disse...

Então, Seu Marinhos, essa é uma nova coluna, ainda com muitos posts por vir, já que esse assunto dá pano pra manga...
: )